terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Metáfora do balde de caranguejos



“Havia um homem na praia que vendia caranguejos e carregava consigo dois baldes cheios de exemplares vivos. Um dos baldes encontrava-se aberto e o outro estava tapado com uma rede.
Uma senhora, vendo aquilo, aproximou-se com curiosidade do pescador e perguntou:
– Por que razão tapou um dos baldes e o outro não?

E o vendedor de caranguejos respondeu:

– Porque vendo duas espécies de caranguejos.

- Os caranguejos de uma das espécies tentam sair do balde apoiando-se uns nos outros fazendo uma corrente, conseguindo deste modo que todos consigam sair. Por isso tenho que manter o balde tapado.

– Os caranguejos da outra espécie também tentam sair, mas sempre que um deles tenta subir, os outros por baixo dele, agarram-no puxando-o para baixo, e deste modo nenhum consegue escapar.”

Original: ana-macao-kw.pt

Na versão Brasileira da mesma metáfora:

Antigo "causo popular" conta que um Cesto com Caranguejos pode ficar sempre aberto, porque nenhum Caranguejo vai fugir. Quando um dos caranguejos tenta subir o outro o puxa para baixo. “Onde você pensa que vai? Volte para baixo que aqui é o teu lugar, eu tenho que ir primeiro, se eu não vou, você também não vai” e assim quando um caranguejo tenta fugir, aparece sempre outro puxando para baixo.

O coitado do Caranguejo que quer sair do cesto, além de tentar subir andando pra trás, ainda é puxado por outro Caranguejo invejoso, pois se não for também, que estejamos todos no buraco juntos.