quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Veraneio do Povo
Será que alguém tem gosto ou prazer nisto?

Provavelmente algo os move, sim: 



talvez a auto-confirmação de sucesso na "carreira" ou a integração na "via rápida" de corrente social alargada. Se cada um ficar bem consigo, já é alguma coisa.

 

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

 NEW ORDER

THEY (WHO) SEEK TO ESTABLISH SYSTEMS OF GOVERNMENT BASED ON REGIMENTATION OF ALL HUMAN BEINGS BY A HANDFUL OF INDIVIDUAL RULERS ... CALL THIS A NEW ORDER. IT IS NOT NEW AND IT IS NOT ORDER.
 

FRANKLIN  DELANO ROOSEVELT. 13.03.1941

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Is the "Clock ticking"? the Sand Flowing? ... or the Time Running?


O Cartão Aladin


A Mentira e a Verdade – Segundo o "Evangelho" de Fernando Pessoa


"Sou, em primeiro lugar, um raciocinador, e, o que é pior, um raciocinador minucioso e analítico. Ora o público não é capaz de seguir um raciocínio, e o público não é capaz de prestar atenção a uma análise. Sou, em segundo lugar, um analisador que busca, quando em si cabe, descobrir a verdade. Ora o publico não quer a verdade, mas a mentira que mais lhe agrade. Acresce que a verdade - em tudo, e mormente em coisas sociais - é sempre complexa. Ora o público não compreende ideias complexas....
Sou, em terceiro lugar, e por isso mesmo busco a verdade, tão imparcial quanto em mim cabe ser. Ora o público, movido intimamente por sentimentos não por ideias, é organicamente parcial... De aqui parece dever concluir-se que um estudo raciocinado, imparcial, cientificamente conduzido, de qualquer assunto é um trabalho socialmente inútil. Assim de facto é. É, quando muito, uma obra de arte, e mais nada". Vox et praeterea nihil (voice and nothing more : sound without substance).


Mas Fernado Pessoa não foi o primeiro a compreender as idiossincrasias dos grupos populares. Gustave Le Bon já tinha percorrido esse caminho. Há até quem afirme que outros as descobriram, e delas fizeram uso, milenios antes de Gustave Le Bon.
 

















 

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Personalidade e auto-controlo

"A escala de tua personalidade é determinada pela magnitude do problema que é capaz de faz-te perder o teu auto-controlo."

"The scale of your personality is determined by the magnitude of the problem, which is able to piss you off."

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

SCHOOL & TEACHERS
"• And they created the school as the devil commanded.
The child loves nature, so he was locked in four walls.
He can not sit without moving, so he was forced into immobility.
He likes to work with his hands, and he began to teach theories and ideas.
He likes to talk - he was told to remain silent.
He seeks to understand - he was commanded to learn by heart.
He would like to explore and search for knowledge himself, but he was given them in ready form.
And then the children learned what they would never have learned in other conditions. They learned to lie and pretend."

Adolphe Ferrière
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Adolphe Ferrière (Geneva, 1879 - Geneva, 1960) was one of the founders of the movement of the progressive education.
He is listed as one of the 100 most famous educators, by the International Bureau of Education (IBE).
 

domingo, 8 de setembro de 2019

Prova de Triatlo
Lagoa - S. Miguel - Açores
III Edição - Trilhos da Lagoa
8 de Setembro de 2019
O pitoresco porto da Caloura foi palco do arranque do III Triatlo - Trilhos da Lagoa, este ano realizado a 8 de Setembro de 2019. Uma excelente organização e apresentação, com prova de natação na baia do porto e prova de ciclismo e corrida por estradas e trilhos entre a Caloura e o Portinho de S. Pedro da cidade da Lagoa. A prova durou entre aproximadamente uma hora e duas horas e meia, sendo que todos estavam motivados e preparados, mas uns bem mais do que outros.













 


















Enquanto uns nadavam outros carregavam neste porto Gamelas (caixas c/ isco para a pesca de peixe de fundo/Demersais) para fornecer traineira acostada noutro porto.

Forças militarizadas não faltaram; oito elementos! A proporcionalidade entre agentes armados ... e atletas pacificos não justifica comentários...
 À natação seguiu-se a prova ciclistica - 20 Km, envolvendo BTT, até ao Cabouco.. Desse ponto até ao Portinho de S. Pedro as bicicletas deram lugar a corrida de meio fundo (aproximadamente 10 Km). No fim, estafados que estavam os atletas, havia um churrasco com bifanas, bebidas e mesas à sombra diante das instalações do Clube Náutico da Lagoa.
 






















 

Atletas havia-os com variada preparação e motivação. Contudo ver uma jovem mãe de 4 filhos a participar e a integrar-se bem numa exigente prova destas não é comum. Bem que merecia uma salva de palmas e destaque no encerramento da prova e um troféu.


Finalizou-se a prova com entrega de troféus e com a fotografia da praxe. Ainda neste ano de 2019 acontecerão outras provas desta natureza por esta Ilha.
Os organizadores, patrocinadores e condutores do evento estão de parabéns. São Pedro também está por ter presenteado os participantes e apoiantes com um radioso dia.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

GUERRA, CONQUISTA, ESPÓLIO E SUBJUGAÇÃO.

Sobre as consequências impostas por vencedores a vencidos.

Segundo John Maynar Keynes, na sua publicação intitulada:
THE ECONOMIC CONSEQUENCES OF PEACE (Grande Guerra . Tratado de Versalhes - 1919)

É de notar que, na antiguidade, a facção vencedora de uma guerra capturava todos os bens do vencido e escravizava o povo pertencente à parte derrotada. Nas Guerras Civis acontecia coisa semelhante e na Portuguesa os vencidos foram também espoliados. Por vezes quem "financiava" o conflito imponha ao vencedor um pagamento ou retorno correspondente a boa parte do valor do espólio capturado ao vencido.
Nas guerras económicas e financeiras a tradição ou ciencia militar também se aplica. Espólio pode assumir outros nomes e a servitude (prima da escravatura) também.

A obra acima mencionada dá uma ideia clara dessas realidades e faz a ponte entre processos, lexico e a terminologia moderna da guerra e paz com realidades imemoriais associadas a conflitos armados humanos.

A propósito do Tratado que adveio da capitulação da Alemanha na Primeira Guerra (Tratado de Versalhes), da sua expoliação e prolongada subjugação económica a título de "Compensações de Guerra", Keynes escreveu o seguinte:

"Não se pode ignorar, em termos de resultados associados à produção de excedentes, que baixar o padrão de vida de uma comunidade actua em dois sentidos. Além do mais  há pouco conhecimento sobre a psicologia da raça branca em condições de vida proximas da servidão.
É, contudo, suposto que se todos os excedentes de produção de um homem forem retirados dele, a sua eficiencia e sua industriosidade diminuem. O empreendedor e o inventor não imaginarão (ou planearão), o comerciante e o logista não acumularão (entesourarão), o trabalhador não labutará, se os frutos da sua industria ou esforço forem desviados, não para o beneficio dos seus filhos, da sua aposentação, do seu orgulho ou da sua posição, mas sim para o desfrute de um conquistador estrangeiro."


"It cannot be overlooked, in passing, that in its results on a country's surplus productivity a lowering of the standard of life acts both ways. Moreove, we are without experience of the psychology of a white race under conditions little short of servitude. It is, however, generaly supposed that if a whole of a man's surplus production is taken from him, his eficiency and his industry are diminished. The enterpreneur and the inventor will not contrive, the trader and shopkeeper will not save, the laborer will not toil, if the fruits of their industry are set aside, not for benefit of their children, their old age, their priide, or their position, but for the enjoyment of a foreigner conqueror."

Um país subjugado por uma dívida "soberana", por uma máquina fiscal recolectora, por um sistema judicial e policial que decidam e forçem a aceitação das decisões associadas à "recolha", pode não ser um país livre mas uma "colónia" ao serviço da organização ou personalidade credora. E se a maioria dos excendentes da industriosidade e actividade da população forem retirados por via fiscal ou administrativa, a vitalidade da colectividade tende a extinguir-se.

sexta-feira, 12 de julho de 2019

DEMOCRACIAS


 











«(…) continuo a considerar perigosa em Portugal aquela democracia que toma a forma de parlamentarismo partidário, demagógico, tumultuário, com batuque de carteiras e discursos de nove horas. O meu horror a essa espécie de democracia não mudou. Mas se à palavra [democracia] se pretende dar um significado social de regime para bem do povo, temos direito de reivindicar para nós, com mais direito que outros, a designação de democratas (…)» 

Salazar em declarações a António Ferro citado em Maltez, José Adelino, (2004), Tradição e Revolução. Uma biografia do Portugal Político do Século XIX ao XXI, Vol. II (1910-2005), Lisboa, Tribuna da Historia, pp.430.







Texto incluido na Tese submetida como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em História, Defesa e Relações Internacionais, de Jorge Manuel Lima da Silva Rocha, intitulada:
"Planeamento de Defesa e Gestão das Alianças
Portugal nos Primeiros Anos da Guerra Fria 1945-1959"
(...) 2. Caracterização da situação interna
a. Análise da situação política nacional (...).



 



terça-feira, 18 de junho de 2019


Earth of Darkness
Joseph Conrad



About the captivated nigger’s they (the Central Station personnel) were carrying in an affluent of the Congo River


“For the rest, the only thing to eat - though it didn’t look eatable in the least - I saw in their possession was a few lumps of some stuff like half-cooked dough, of a dirty lavender colour, they kept wrapped in leaves, and now and then swallowed a pieceof, but so small that it seemed done more for the looks of the thing than for any serious purpose of sustenance. Why in the name of all the gnawing devils of hunger they didn’t go for us—they were thirty to five—and have a good tuck in for once, amazes me now when I think of it. They were big powerful men, with not much capacity to weigh the consequences, with courage, with strength, even  yet,  though  their  skins  were  no  longer  glossy  and  their muscles no longer hard. And I saw that something restraining, one of those human secrets that baffle probability, had come into play there. I looked at them with a swift quickening of interest - not because it occurred to me I might be eaten by them before very long, though I own to you that just then I perceived—in a new light, as it were-how unwholesome the pilgrims looked, and I hoped, yes, I positively hoped, that my aspect was not so—what shall I say?—so—unappetizing: a touch of fantastic vanity which fitted well with the dream-sensation that pervaded all my days at that time. Perhaps I had a little fever too. One can’t live with one’s finger  everlastingly on one’s pulse. I had often ‘a little fever,’ or a little touch of other things—the playful paw-strokes of the wilderness, the preliminary trifling before the more serious onslaught which came in due course. Yes; I looked at them as you would on any human being, with a curiosity of their impulses, motives, capacities, weaknesses, when brought to the test of an inexorable physical necessity. Restraint! What possible restraint? Was it superstition, disgust, patience, fear - or some kind of primitive honour? No fear can stand up to hunger, no patience can wear it out, disgust simply does not exist where hunger is; and as to superstition, beliefs, and what you may call principles, they are less than chaff in a breeze.
Don’t you know the devilry of lingering starvation, its exasperating torment, its black thoughts, its somber and brooding ferocity? Well, I do. It takes a man all his inborn strength to fight hunger properly. It’s really easier to face bereavement, dishonour, and the perdition of one’s soul - than this kind of prolonged hunger. Sad, but true. And these chaps too had no earthly reason for any kind of scruple. Restraint! I would just as soon have expected restraint from a hyena prowling amongst the corpses of a battlefield. But there was the fact facing me - the fact dazzling, to be seen, like the foam on the depths of the sea, like a ripple on an unfathomable enigma, a  mystery  greater—when  I  thought  of  it—than  the  curious, inexplicable note of desperate grief in this savage clamor that had swept by us on the riverbank, behind the blind whiteness of the  fog.”


Notes:
The pilgrims are not missionaries. They are called pilgrims, it seems, because they carry long staves or poles. They are agents, employed at the Central Station, and their only desire is to get a job at a trading station: they do nothing, they only want ivory to make money, they hate each other, and treat the natives badly.










Other quotes:

The conquest of the earth, which mostly means the taking it away from those who have a different complexion or slightly flatter noses than ourselves, is not a pretty thing when you look into it too much.
(...)
It is impossible to convey the life-sensation of any given epoch of one’s existence — that which makes its truth, its meaning — its subtle and penetrating essence. It is impossible. We live, as we dream — alone…
(...)
I don’t like work — no man does — but I like what is in work — the chance to find yourself. Your own reality — for yourself, not for others — what no other man can ever know.
(...)
We could not understand because we were too far and could not remember, because we were travelling in the night of first ages, of those ages that are gone, leaving hardly a sign — and no memories.
(...)
I have wrestled with death. It is the most unexciting contest you can imagine. It takes place in an impalpable grayness, with nothing underfoot, with nothing around, without spectators, without clamor, without glory, without the great desire of victory, without the great fear of defeat, in a sickly atmosphere of tepid skepticism, without much belief in your own right, and still less in that of your adversary. If such is the form of ultimate wisdom, then life is a greater riddle than some of us think it to be.